Mais de 800 mil fanáticos por futebol já começaram a chegar ao Brasil para embalar a Copa do Mundo

Quem são eles, como se prepararam e o que farão durante a maior competição esportiva do planeta?

Por: Mariana Brugger (marianabrugger@istoe.com.br) e Raul Montenegro (raul.montenegro@istoe.com.br)

Quando começa uma Copa do Mundo? A resposta óbvia, e correta, é no momento em que abre oficialmente a festa de abertura e, em seguida, a bola rola, com o jogo inaugural, tradicionalmente capitaneado pelo país anfitrião. Mas um Mundial de futebol se inicia bem antes disso. Quando chegam os atores da competição, as seleções e as torcidas dos países envolvidos na disputa, que colorem e transformam a atmosfera das cidades-sede com sua vibração. Ainda há poucos times no País – até a sexta-feira 6, haviam chegado oito delegações -, mas, se depender dos estrangeiros que já estão aqui e daqueles que chegam nas próximas semanas, a Copa do Brasil, que se inicia protocolarmente no dia 12 de junho, às 17h, com Brasil e Croácia, na Arena São Paulo, já está a todo vapor. “Turistas de 186 países vêm nos visitar e serão 30 bilhões de espectadores em todos os jogos, no mundo todo”, diz o ministro do Turismo Vinícius Lage. Segundo a Fifa, foram vendidos pouco mais de 2,9 milhões de ingressos, 40% deles para torcedores de fora. Levantamento recente do Ministério dos Esportes revela que serão mais de 800 mil pessoas vindas do exterior durante a competição. “Sendo que meio milhão virá pela primeira vez ao Brasil por conta da Copa do Mundo. Isso alavanca a economia nacional”, afirma o secretário-executivo do Ministério dos Esportes, Luis Fernandes. A expectativa é que gastem cerca de R$ 2,5 bilhões por aqui.

INVASAO-ESTRANGEIRO-IE.jpg
MAPA-MÚNDI
Quarta-feira 4: torcedores de nacionalidades diferentes que já
chegaram do Exterior para o Mundial se confraternizam
na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro

O fato de ser a primeira Copa realizada no continente americano no século 21 colaborou também para uma grande procura. Os sul-americanos, por exemplo, se valem da proximidade para assistir ao Mundial, da maneira que for possível. No Chile, uma caravana gigantesca foi organizada para partir de Santiago, cruzar a Cordilheira dos Andes e estacionar em Cuiabá, onde a seleção realiza sua primeira partida contra a Austrália, na sexta-feira 13. Serão entre 800 e 3200 carros dirigindo em comboio por cinco dias, percorrendo 800 quilômetros diários. “Fazemos de tudo para ver o Chile ser campeão. Somos uma torcida apaixonada e aventureira”, diz Alberto Schmidt, chefe de operações do grupo. São esperados até 70 mil chilenos no Brasil durante a competição, quatro mil vindos somente do grupo de Schmidt.

01.jpg

Igualmente apaixonada, a torcida alemã desembarcará em peso por aqui. Segundo o Consulado da Alemanha no Rio de Janeiro, são esperados, pelo menos, 20 mil alemães no país para participar do Mundial. Recente levantamento do site de pesquisas de passagens aéreas Skyscanner confirma o dado. Os alemães ocupam o terceiro lugar do ranking dos países que mais enviarão torcidas para cá, perdendo apenas para os norte-americanos e os argentinos. “A torcida alemã é a mais simpática e feliz. O torcedor grita e cria expressões para se referir aos jogadores da equipe adversária”, afirma Harald Klein, o cônsul-geral da Alemanha no Rio de Janeiro. O web-designer alemão Sami Jaafar, de 28 anos, economizou durante dois anos para ver a Copa. No dia 7 de julho, ele desembarca no Rio de Janeiro sonhando com uma final entre o Brasil e a Alemanha. Sami não comprou ingresso para ir ao Maracanã, porque achou o preço “um absurdo”. Mas também porque prefere sentir o clima das ruas. Ele pretende quer assistir aos jogos em telões ao ar livre, de preferência, na Praia de Copacabana, tomando caipirinha e vendo mulheres bonitas. Ele não teme nem os protestos, nem a criminalidade: “Em 2006, a mídia internacional também disse que a Copa na Alemanha seria perigosa por causa dos hoolligans e dos neo-nazistas. Mas o clima não poderia ter sido melhor”. Sami vai viajar com um amigo – o único que não se assustou com os preços. Os dois vão ficar hospedados em Copacabana, a cinco minutos da praia, num apartamento alugado através de uma agência de viagens berlinense.

02.jpg

Com pouca tradição futebolística, os americanos surpreenderam já na compra de ingressos. Foram 196.838 entradas vendidas para eles, segundo a Fifa, perdendo apenas para o Brasil. “Estou certa de que vocês verão milhares de americanos se produzindo com todos os tipos de fantasias e roupas típicas”, afirma Liliana Ayalde, a embaixadora dos Estados Unidos no Brasil. A esperança dela se confirma no grupo de Kimberly Kallansrude, 20 anos. Ela e outros quinze amigos vieram ao país para fazer um intercâmbio e resolveram esticar a estadia para aproveitar a Copa do Mundo. Para fugir dos preços altos, se hospedaram no Albergue Bonita, em Ipanema, zona sul do Rio. “Vamos assistir só ao início da Copa, mas estamos muito empolgados.” Conhecida por sua neutralidade em assuntos políticos, a Suíça terá 6 mil torcedores por aqui. “A torcida suíça é um pouco como o time, cheia de potencial, mas nem sempre ciente das suas capacidades. É como uma pessoa tímida, que só se revela de verdade quando está à vontade”, diz o suíço Claudio Baumann, que mora no País há dois anos e já recepciona vinte conterrâneos para o Mundial. A gelada Rússia também fará parte da festa. Com QG da torcida montado no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o torcedor que não conseguir entrar no Maracanã no domingo 22 para assistir a partida contra a Bélgica não ficará sem lugar para brindar. O russo Euan Kay, 24 anos, ainda tem esperança em conseguir sua entrada. “Eu não poderia perder uma Copa no Brasil. A melhor parte do futebol é que ele une as diferenças entre os povos.”

03.jpg

Essa pluralidade é apontada justamente como a chave do sucesso do Mundial. “O Mundial é aquele momento em que fingimos assistir a um duelo de nações, que será resolvido no campo esportivo”, afirma o sociólogo Ronaldo Helal, professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Diferenças à parte, o historiador e pesquisador André Couto aponta algumas semelhanças entre os grupos de torcedores. “Os latinos costumam ser mais apaixonados, festivos e coloridos. Os ingleses são eufóricos, apesar de causar preocupação com a violência dos hooligans. Os portugueses são frios, mas pode ser que o bom momento do Cristiano Ronaldo mude essa percepção. E a Holanda costuma ter as mulheres mais bonitas.”

04.jpg

Rahima Ayla Dirkse, 20 anos, é uma ilustre representante da beleza holandesa. Há quatro anos, enquanto Wesley Sneijder marcava o segundo gol da vitória da Holanda contra o Brasil na Copa do Mundo da África do Sul, seu avião pousava em Salvador. Foi só colocar o pé fora do aeroporto Luís Eduardo Magalhães para perceber uma cidade calada. Foi nesse momento que ela se deu conta: o País do futebol tinha sido eliminado justamente pela sua seleção. “Era um baixo astral, todo mundo chorando. Futebol não tem essa mesma força onde eu moro”, diz. Ela queria ver a festa na cidade – um dos principais motivos de sua segunda visita ao Brasil. “Foi naquele dia que decidi que voltaria para a Copa do Brasil”, afirma a estudante de Farmácia, de 20 anos, que hoje mora em Groningen, cidade universitária localizada ao norte da Holanda. Dito e feito. Rahima convenceu seus pais e os três voltam a Salvador. A família Dirkse vai desembarcar mais uma vez na Bahia, estado onde seu país faz o primeiro jogo, contra a Espanha, na sexta-feira 13. O trio, que só chega ao Brasil no dia 5 de julho e ainda não possui ingressos, tem esperanças de ver os jogos do time laranja nas fases eliminatórias.

05.jpg

Uma coisa é certa: os holandeses esperam transformar o Brasil em uma grande nação laranja. Em São Paulo, eles preparam uma grande caravana para o jogo do dia 23, contra o Chile. Cerca de 500 holandeses que estão acampados num clube na zona sul paulistana acompanharão, a partir das 8h, a “Oranje March” – percurso tradicionalmente feito por um ônibus laranja de dois andares cercado por uma multidão que segue a seleção do País durante os campeonatos internacionais. Na primeira parte do trajeto, caminharão ao lado do veículo do local onde estão as barracas até o metrô mais próximo. Do fim da linha até o estádio, voltarão a se juntar ao coletivo até um terreno perto da Arena São Paulo, onde festejarão até o início do jogo, às 13h. “No resto do ano somos normais, mas durante os jogos viramos loucos. Vestimos roupas cor de laranja e fazemos maluquices ao som dos nossos gritos de guerra”, diz a acampante holandesa Dorinda Hovenga.
Com o Papa Francisco ao seu favor, e o melhor ataque da competição – Messi, Di Maria, Aguero e Higuaín -, a passional argentina está confiante. Na base do GPS, uns poucos contatos e alguma sede de aventura, um trio de jovens portenhos sairá de Buenos Aires de carro nesta semana e chegará antes de a bola começar a rolar.”Vamos parando em casas de amigos e hostels. Levamos até barraca para acampar”, diz o programador David Sadrinas. Os três amigos têm certeza de que essa é a Copa deles. “A próxima é na Rússia, a seguinte no Catar, tudo muito longe”, afirma o analista de crédito Santiago Pascale. Eles mostram, satisfeitos, os ingressos adquiridos em sites como eBay e Mercado Livre. Apesar de a revenda ser proibida, não se intimidaram em gastar até US$ 500 dólares em cada entrada. Sonhar é grátis, mas, ir à Copa, definitivamente não. “Estourei todos os cartões de crédito. Para voltar, a cada parada pedirei um depósito na conta aos pais”, diz o analista Francisco Mora.

06.jpg

Se há torcedores que viajam na base do improviso, outros são extremamente meticulosos. Como o inglês James Connaughton, de 25 anos, que começou a guardar dinheiro e fazer os planos para a viagem em 2007, quando soube que o Brasil receberia a Copa de 2014. Mesmo sem saber se a Inglaterra se classificaria, ele estava decidido a realizar um sonho de infância e assistir ao maior torneio do mundo no país que, para ele, é “a casa do futebol”. Pela internet, James estudou as 12 cidades-sede em busca de uma base onde pudesse conciliar os jogos com praias e baladas. Acabou se decidindo por Natal, onde deve passar duas semanas em uma pousada, na companhia de outros cinco amigos. “Vi que Natal é uma cidade pequena, menos caótica, mais segura e com mais chances de ter sol e calor nesta época do ano”, diz, já imaginando os roteiros que programou para os dias sem futebol: passeios de buggy pelas dunas de Genipabu e uma esticada à Praia da Pipa.Na última semana da viagem, passa por Recife e termina no Rio, onde se, tudo sair como o esperado, poderá ver sua Inglaterra disputar uma oitava-de-final em pleno Maracanã. Para aproveitar ao máximo a experiência, matriculou-se num curso particular intensivo de português. A Football Association (FA) e a Federação dos Torcedores de Futebol britânica estimam que cerca de 10 mil ingleses devem viajar ao Brasil. As casas de câmbio britânicas mostram isso – aumentou em 1000% a demanda pela moeda brasileira em Londres. Outro hóspede europeu de Natal é o italiano Davide Bizzoto, 39 anos, que terminou com a namorada, que viria com ele, mas não desistiu do sonho de acompanhar sua seleção no Brasil. “Essa será a melhor copa de todos os tempos”, diz ele, que ficará na Praia do Pipa.

07.jpg

Na terra dos atuais campeões mundiais, a crise econômica e taxas de desemprego na casa dos 25%, estão fazendo o sonho de ver ao vivo o bicampeonato ser cancelado pela grande maioria dos torcedores espanhóis. A dificuldade até virou mote para o comercial de um dos patrocinadores, que pediu aos espanhois para cortar e enviar ao time “seus corações”, os escudos de suas camisas da seleção. O caro souvenir foi costurado e transformado em uma bandeira que acompanhará os jogadores pelo Brasil. Para alguns poucos, no entanto, as passagens e entradas nos estádios estão garantidos e o uniforme pode continuar intacto. É o caso do jornalista Ángel Rubiano, 29 anos. “Estrear na Copa vendo a seleção jogando no Maracanã é sensacional!”, diz ele, que terá como base a cidade do Rio de Janeiro. Apesar de saber que não vai ser fácil para a Espanha, ele se diz otimista. “Esse time nos deu duas Eurocopas e a última Copa. Não tem como estar pessimista com eles.” Nem todos os espanhóis, no entanto, estão tão esperançosos. “Somos um dos favoritos, mas ganhar vai ser muito difícil porque estamos um pouco abaixo do que éramos em 2010”, diz Miguel Riera Menendez, que chegou sozinho ao Brasil para acompanhar os jogos de seu time no Rio e em Curitiba e ficará hospedado em casas de amigos e em hotéis. O argelino Mohamed Kellala também veio sozinho, apesar de uma caravana do seu País estar trazendo 2,1 mil compatriotas, segundo a embaixada. Além de acompanhar todos os jogos da Argélia na primeira fase, Kellala pretende conhecer outras atrações brasileiras, como as obras do arquiteto Oscar Niemeyer. Primeiro o esporte, depois o turismo. Afinal, nada mais divertido para esses torcedores do que uma partida de futebol. Durante uma Copa. E no Brasil.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s